traição.com: infidelidade ganha aliados na internet


“Aconteceu o seguinte: Vânia finalmente cedeu e concordou em se encontrar com Rogério em um apartamento em Copacabana. Mas insistiu na segurança absoluta. Ninguém poderia vê-la chegar ou sair do prédio. Se o seu marido descobrisse, se o seu marido sequer desconfiasse… Rogério jurou que ninguém a veria.”

O primeiro parágrafo da crônica “Zona Norte, Zona Sul”, de Luis Fernando Verissimo, ilustra qual era o conceito de infidelidade antes do advento de salas de bate-papo, mensagens instantâneas, e-mails e sites de relacionamento. Para trair, o encontro físico era fundamental. Sem ele, as suspeitas eram tão inconsistentes quanto castelos de areia. Mas, nos dias de hoje, as coisas estão bem diferentes.

Hollywood adora tramas cheias de traições e triângulos amorosos. No filme “Infidelidade” (2002), a dona de casa Connie Sumner (Diane Lane) tem um caso com o artista plástico Paul Martel (Olivier Martinez)/Divulgação

“Amor, I love you”
Mensagens eletrônicas românticas, conversas eróticas pelo MSN, navegação em sites pornográficos ou recados de duplo sentido podem, se interceptados pelo parceiro, causar brigas e até rompimentos definitivos de casais. De acordo com grandes escritórios de advocacia da cidade de São Paulo, cópias de e-mails e mensagens do Orkut, Facebook e Messenger são apresentadas em 90% dos pedidos de separação.

Os mais liberais ou os “cucas-fresca” podem considerar a atitude extremada, mas a Psicologia explica que o envolvimento amoroso sem sexo – a infidelidade emocional ou branca – tem o mesmo poder devastador do que um dos cônjuges flagrar o parceiro na cama com um amante. Uma pesquisa apresentada na conferência anual da Sociedade Britânica de Psicologia, em 2006, confirma a análise. Segundo o estudo, para 84% dos entrevistados, relacionamentos amorosos virtuais são uma forma de traição.

Além da Psicologia e da opinião pública, a Justiça brasileira também enquadra o flerte on line como infidelidade. O Código Civil prevê a fidelidade como um dos deveres do casamento ou de uniões estáveis e, atualmente, a jurisprudência já entende que a traição pode ocorrer tanto por meio de contato sexual de um dos cônjuges com uma terceira pessoa ou por comportamentos inadequados mesmo que não cheguem ao contato físico ou à relação sexual.

Nos EUA, as salas de bate-papo se tornaram uma das causas mais frequentes de separação. Um estudo desenvolvido entre 2001 e 2002, pela Universidade da Flórida, já apontava que a internet se tornaria a forma mais comum de infidelidade. Para Al Cooper – autor de “Sex and the Internet: A Guide Book for Clinicians” (Sexo e a Internet: Um Guia para os Clínicos, em tradução livre) -, os casais precisam ser alertados de que inocentes “xavecos” virtuais geralmente terminam em divórcios.

traição.com?
Para quem ainda não se convenceu de que a infidelidade ganhou aliados na internet, vou lembrar da história da romena Geta M. Em 2005, a mulher de então 45 anos pediu divórcio do marido após encontrá-lo acessando pornografia na rede. Apesar dos 23 anos de casamento, Geta alegou que a atitude do companheiro se configurou em adultério virtual. A romena disse à Corte de seu país que não poderia continuar casada pois se sentia traída pelo marido.

Não é o bastante? Então, por 20 minutos, fantasie que o seu grande amor está envolvido com um novo (a) “amigo” (a) da web. Imagine-o (a) passando três horas a fio no Twitter com um estranho (a), escrevendo DMs (direct messengers) amorosas, se perdendo em dezenas de páginas de sexo virtual, usando o perfil do Facebook para fazer declarações don juanescas (a la Carmen, de Bizet) ou receber recados suspeitos… O que você sentiu? Isso agora é infidelidade para você? Se não for, vamos combinar que a Vânia e o Rogério, de Verissimo, foram à Copacabana brincar de casinha.

Gostou? Então, leia também
Adeus Steve Jobs, adeus Mestre do Reino Encantado da Maçã Mordida
“Amizade Colorida” é uma comédia romântica cheia de personalidade
A “morte” e a ressurreição do grupo Atitude
Romance de João Ubaldo retrata luxúria sob a ótica feminina

Três motivos para não esquecer Marlon Brando
“Missão Madrinha de Casamento” não é versão de “Se Beber, Não Case!

Debora de Lucas


//

W3Counter

 

Anúncios

6 pensamentos sobre “traição.com: infidelidade ganha aliados na internet

  1. Pingback: “Amizade Colorida” segue fórmula das novas comédias românticas sem perde personalidade | deborando

  2. Vamos combinar que a maioria das pessoas ainda não acordou para isso? Aos poucos, cada um se coloca no lugar do outro, sente as dores de uma possível traição, mas será mesmo que um dia vai deixar de fazer algo errado porque ela se preocupa com o próximo? Acredito que sim. Sonho meu.

  3. Pingback: A gênese, a ascensão, a “morte” e a ressurreição do grupo Atitude | deborando

  4. Pingback: Adeus Steve Jobs, adeus Mestre do Reino Encantado da Maçã Mordida | deborando

  5. Pingback: Três motivos para venerar Guns N’ Roses | deborando

  6. Pingback: “11-11-11”: Com traços de “O Bebê de Rosemary” e “A Profecia”, filme faz público gritar no cinema | deborando

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: